A arrogância da Sony nunca é boa política